Dicas de Contabilidade para Médicos

A operação financeira/contábil de uma clínica ou consultório médico é de grande importância para o sucesso do negócio.

Muitos médicos trabalham em vários empregos e em seus negócios próprios e é extremamente importante ter um contador com conhecimento desse ramo para que possa dar as orientações acertadas e que saiba executar todos os serviços que o médico precisa.

Abaixo algumas dicas de contabilidade para médicos e consultórios

Pessoa física ou pessoa jurídica?

A primeira dúvida que surge ao querer abrir uma empresa médica é sobre qual a melhor opção para a prestação dos serviços: pessoa física ou jurídica? Se você deseja pagar menos tributos, o aconselhável é escolher a pessoa jurídica, sobre qual incide uma carga tributária de, em média, 13%. Para um profissional autônomo, a tributação fica em torno de 27%, mais adicional de 11% para o INSS.

Simples Nacional, Lucro Real ou Lucro Presumido?

Lucro real é o modelo de tributação onde os impostos são cobrados sobre o lucro líquido do período, ou seja, é preciso que a empresa saiba informar exatamente qual foi o seu lucro. Em caso de prejuízo, a empresa fica dispensada de seu pagamento.
Para médicos e consultórios, especialistas afirmam que a opção mais vantajosa é da tributação pelo lucro presumido. A última opção é a do Simples Nacional, que já está aberto para a área médica, mas suas alíquotas não são nada vantajosas.

Quais impostos devo pagar?

O pagamento de impostos em empresas médicas é muito parecido com a de empresas de outras áreas. Vale lembrar que a abertura da empresa só é possível após sua inscrição no Conselho Regional de Medicina (CRM).

Em âmbito federal, onde está a maior parte da carga tributária de qualquer empresa, os médicos e consultórios precisam estar atentos ao Imposto de Renda de Pessoa Jurídica (IRPJ), aquele que incide sobre os lucros. Este imposto fica entre 10 e 15% sobre os proventos.

Já para quem irá trabalhar em um consultório com diversos profissionais, como uma clínica estética, por exemplo, há também a Contribuição sobre Lucro Líquido (CSLL), que fica entre 12 a 32% sobre a receita bruta das vendas e serviços oferecidos para quem opta pelo lucro presumido e de 9% para quem opta pelo lucro real e contábil.

Temos ainda a Contribuição para Financiamento da Seguridade Social (Cofins), que fica em 3% do faturamento mensal para empresas com lucro presumido e 7,6% para as que utilizam o lucro real. Sobre o faturamento ainda incidirá o Programa de Integração Social (PIS), com taxas entre 0,65 e 1,65%, dependendo da opção de lucro escolhida pela empresa. Para finalizar, temos a contribuição para o Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS), que fica entre 15 e 20% sobre a folha de pagamento.

Em âmbito municipal, é preciso fazer o pagamento do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza (ISS), que varia de acordo com cada município.

É válido ainda lembrar que o médico ou seu consultório deve manter sua contabilidade em dia, cuidando dos livros fiscais, preenchendo mensalmente o Sistema Empresa de Recolhimento do FGTS e Informações à Previdência Social (SEFIP), a Declaração de Débitos e Créditos Tributários Federais (DCTF) e o Demonstrativo de Apuração de Contribuições Sociais (DACON), além de declarar anual e corretamente o Imposto de Renda (IR).

Nosso conselho é que os serviços de contabilidade para médicos e consultórios sejam feitos por profissionais habilitados para tal, sendo a melhor opção para seu negócio se manter de acordo com a leis e dando lucro.

Procure um contador de sua confiança, ele ajudará você em tudo que se refere aos impostos e declarações necessárias para a boa gestão do seu negócio.

*Escritório de contabilidade para médicos

Dicas de Contabilidade para Médicos
Rate this post

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: